Jornal Itapeva Times A Insustentável Leveza do Suflê - Por Danilo Rolim - Jornal Itapeva Times

A Insustentável Leveza do Suflê – Por Danilo Rolim

Danilo Rolim 18 de fevereiro de 2014
A Insustentável Leveza do Suflê – Por Danilo Rolim

Trazidas da Turquia no século XVI, as tulipas logo fascinaram os holandeses, que começaram a competir por quem tinha as mais belas em seus jardins. A competição era tamanha que, na década de 1630, não se conseguia mais encontrar tulipas à venda. Um grupo de financistas então passou a vender contratos das futuras tulipas que nem haviam sido plantadas. A mania por tulipas, no entanto, era tão grande que mesmo esses contratos futuros eram escassos e eles próprios passaram a ser comercializados a preços cada vez maiores. No auge da especulação tulipária, o contrato de um único bulbo de tulipa chegou a ser trocado por 5 hectares de terra (lembre-se como a Holanda é pequena!). Até que, em fevereiro de 1637, o pessoal começou a se dar conta de que uma planta que só florece por poucas semanas a cada ano não valia tudo isso. O windhandel - comércio de vento – parou e a primeira bolha especulativa de que se tem notícia estourou.

Alguns outros exemplos de fenômenos igualmente insustentáveis são: os elogios às novas roupas do imperador, voo de galinha, uma estrela anã-branca com massa superior ao limite de Chandrasekhar, a audiência do BBB, os preços de imóveis no Rio e um suflê recém saído do forno. Por concisão, vou me abster de falar sobre os interessantes tópicos de literatura dinamarquesa, aerodinâmica ornitológica, astrofísica, voyerismo e o Leblon.

Qualquer um que já tenha feito um belo suflê sabe que ele dificilmente chega à mesa com a mesma aparência com que sai do forno. Para que todos vejam o resultado de seus esforços e habilidades, é recomendável ter todos os comensais já devidamente sentados e, de preferência, sem nenhum assunto extremamente interessante sendo debatido. Uma boa estratégia é ter um comparça disposto a fazer um comentário absurdamente inadequado, daqueles que geram silêncios constrangedores, logo antes do suflê ser servido. O timing é fundamental.

Não menos importante é a logística. Quanto mais curto e desimpedido o caminho entre o forno e a mesa melhor. E sem correntes de vento, ar condicionado muito forte ou janteres ao ar livre. Se você quer que sua sala de jantar tenha a temperatura do escritório do senhor Scrooge no natal, sirva quiche ou omelete, não suflê.

Sim, você quer “Ó”s e “Ah”s de admiração por sua obra. Quer que seus convidados vejam o topo dourado de seu suflê projetado magicamente centímetros acima do ramequin, um Panteão em miniatura, um milagre da engenharia culinária! Tudo para colapsar como uma empresa de Eike Batista no primeiro bocado. Saboroso e fugaz como a Primavera de Praga.

sufle_2

Soufflé au Fromage (suflê de queijo) 

- 60g de manteiga
- 60g de farinha de trigo
- 500ml de leite
- sal, pimenta do reino, noz moscada
- 200g de queijo ralado (gruyère, parmesão, minas padrão ou outro), mais um pouco para decorar
- 8 ovos separados
- Manteiga e farinha para untar

Modo de preparo 

- Unte e enfarinhe oito ramequins individuais (cerca de 10cm de diâmetro) ou um refratário grande.

- Numa panela funda, derreta a manteiga e adicione a farinha. Cozinhe mexendo em fogo baixo por cerca de três minutos, sem deixar que escureça. Deixe esfriar um pouco.

- Adicione ao roux (mistura da manteiga e farinha fritas) o leite fervendo e volte ao fogo mexendo bem. Tempere com pimenta e noz moscada.

- Fora do fogo, adicione o queijo ralado e misture bem. Volte ao fogo para que o queijo derreta e fique bem uniforme.

- Prove e, se necessário, adicione sal (a quantidade varia dependendo do queijo que você usar).

- Desligue o fogo e adicione as gemas. Misture bem e deixe esfriar.

- Bata as claras em neve.

- Adicione ⅓ das claras à base de queijo e mexa com cuidado para não perder o ar.

- Coloque a base sobre o restante das claras e incorpore-as delicadamente, mexendo com a espátula de baixo para cima.

- Encha os ramequins até um centímetro da borda e decore com uma pitada de queijo ralado.

- Asse em forno preaquecido a 180ºC por 20min ou até que estejam dourados e inflados.

- Sirva imediatamente com uma boa cerveja Pilsen tcheca.